sexta-feira, 30 de novembro de 2007

A AFA de hoje e de amanhã

Nessa foto, vemos Aldemir Neto entre suas primas, as irmãs Gabriela e Rafaela. Pela sua espertise, Aldemir Neto foi nomeado assessor do Presidente da AFA. Isso dá currículo...kkkkkkkkkk

Esse flagrante ocorreu durante o primeiro evento do ano, o REENCONTRO no final de fevereiro.

Isso é que é Mulher !



Desabafo de uma mulher moderna


O despertador canta de galo e eu não tenho forças nem para atirá-lo contra a parede. Estou tão acabada, não queria ter que trabalhar hoje.Quero ficar em casa, cozinhando, ouvindo música, cantarolando, até!Se tivesse filhos, gastaria a manhã brincando com eles.Se tivesse cachorro, passeando pelas redondezas. Aquário? Olhando os peixinhos nadarem.
Espaço? Fazendo alongamento. Leite condensado? Brigadeiro. Tudo menos sair da cama, E engatar uma primeira e colocar o cérebro pra funcionar. Gostaria de saber quem foi a mentecapta, a matriz das feministas que teve a infeliz idéia de reivindicar direitos da mulher e porque ela fez isso conosco, que nascemos depois dela.Estava tudo tão bom no tempo das nossas avós, elas passavam o dia a bordar, a trocar receitas com as amigas, ensinando-se mutuamente segredos de molhos e temperos, de remédios caseiros, lendo bons livros das bibliotecas dos maridos, decorando a casa, podando árvores, plantando flores, colhendo legumes das hortas, educando crianças, freqüentando saraus, a vida era um grande curso de artesanato, medicina alternativa e culinária... Aí vem uma fulaninha qualquer que não gostava de sutiã tampouco de espartilho, e contamina várias outras rebeldes inconseqüentes com idéias mirabolantes sobre "vamos conquistar o nosso espaço". !
QUE ESPAÇO, MINHA FILHA!!??
Você já tinha a casa inteira, o bairro todo, o mundo aos seus pés. Detinha o domínio completo sobre os homens, eles dependiam de você para comer, vestir, e se exibir para os amigos, que raio de direitos requerer?! Agora eles estão aí todos confusos, não sabem mais que papéis desempenhar na sociedade, fugindo de nós como o diabo da cruz!
Essa brincadeira de vocês acabou é nos enchendo de deveres, isso sim!E, PIOR, nos largando no calabouço da solteirice aguda.
Antigamente, os casamentos duravam para sempre! Por que, me digam por que, a mulher que tinha tudo do bom e do melhor, que só precisava ser frágil, foi se meter a competir com o macharedo? Olha o tamanho do bíceps deles, e olha o tamanho do nosso... Tava na cara que isso não ia dar certo!
Não agüento mais ser obrigada ao ritual diário de fazer escova, maquiar, passar hidratantes, escolher que roupa vestir, que sapatos, acessórios, que perfume combina com meu humor, nem de ter que sair correndo, ficar engarrafada, correr risco de ser assaltada, de morrer atropelada, passar o dia ereta na frente do computador,com o telefone no ouvido, resolvendo problemas.! Somos fiscalizadas e cobradas por nós mesmas à estar sempre em forma, sem estrias, depiladas, sorridentes, cheirosas, unhas feitas, sem falar no currículo impecável, recheado de mestrados, doutorados, e especialidades. Viramos "super-mulheres",mas continuamos a ganhar menos do que eles... Não era muito melhor ter ficado fazendo tricô na cadeira de balanço?!
CHEGA!!!
Eu quero alguém que abra a porta para eu passar, puxe a cadeira para eu sentar, me mande flores com cartões cheios de poesia, faça serenatas na minha janela... Ai, meu Deus, são 7h30, tenho que levantar!E tem mais... que chegue do trabalho, sente no sofá, coloque os pés pra cima e diga "meu bem, me traz uma dose de whisky, por favor?", pois eu descobri que é muito melhor servir. Ou pensam que eu tô ironizando? Tô falando sério!
Estou abdicando do meu posto de mulher moderna...Troco pelo de Amélia.Alguém mais se habilita?Antes eu sonhava, agora nem durmo mais.
(autora desconhecida)


Enviado por Amélia. corrigindo, Clarissa Borges, João Pessoa/Pb


AFA KIDS


Qual é o doce preferido do átomo?

R.: pé-de-moléculas.

Qual é o esporte preferido dos músicos?

R.: lançamento de disco!

Qual o único prato que ninguém consegue fazer direito?

R.: a torta.

Rafaela tinha quatro irmãs: Lalá, Lelé, Lili, Loló e... Qual é o nome da quinta irmã?

R.: Rafaela!

Qual é a parte do corpo que, se você tirar uma letra, fica vazia?

R.: a boca. Se tirar o "B", ela fica OCA.

Qual é a pior parte do sonho e também a melhor parte de um pesadelo?

R.: quando a gente acorda.

O que é uma molécula?

R.: é uma menina muito sapécula.

Como o elétron atende ao telefone?

R.: próton!

Você está numa ponte. De um lado, tem um leão. Do outro, uma onça. E embaixo, vários tubarões. Como você sai de lá?

R.: enfrente a onça -ela é pintada!

O que é o que é: tem dentes, mas não pode comer?

R.: o pente.

Qual é a orelha em que não se pode enfiar cotonete?

R.: a orelha do livro.

Você sabe qual é o segredo do fotógrafo?

R.: quando ele revelar eu te conto!

Qual é a loja mais cara do Brasil?

R.: a Boti-caro.

Qual é a cor? Qual é a cor que faz muito barulho?

R.: é a corneta.

Dois caminhões estavam voando. De repente, um caminhão parou e disse:

- Ora, caminhão não voa. E desceu. Mas o outro continuou voando. Por quê?

R.: ele era um caminhão pipa.

Por que os lápis não gostam de escrever na mão de pessoas grosseiras?

R.: porque ficam desapontados.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Internet tem cursos gratuitos de idiomas.


Conheça opções e ressalvas

Caio Terreran Do UOL Tecnologia

Trânsito, falta de tempo e orçamento apertado. Se para você esses fatores sempre serviram como desculpa para adiar o estudo de um novo idioma, é hora de renovar o repertório. Atualmente, nenhum destes obstáculos impedem interessados em falar uma nova língua —os sites de aprendizado de idiomas são cada vez mais comuns na Internet, e permitem ampliar, à distância, a cultura e o currículo.Didáticos e muitas vezes gratuitos, esses sites pretendem ser salas de aula cibernéticas, com professores virtuais no lugar de docentes de carne e osso, e permitir muita liberdade ao aspirante a poliglota. A gama de idiomas oferecidos foge ao óbvio e vai do inglês ao grego, passando até pelo latim.
IDIOMAS PELA INTERNET
Utilize os links para navegar pela matéria
1. APRENDA LÍNGUAS VIA WEB
2. PRÁTICA REQUER DISCIPLINA
3. OS SITES QUE ENSINAM DE GRAÇA
4. VEJA O ÁLBUM DE FOTOS
Porém, pensar que bastam algumas horas sentadas à frente do PC para sair falando a língua ambicionada é subestimar a dificuldade da tarefa. Tal e qual as aulas reais, e até com mais intensidade, o e-learning —ou educação à distância— requer empenho e dedicação. Profissionais ligados à categoria explicam o porquê disso e mostram que há um perfil de usuário que costuma obter sucesso neste estilo de ensino.Com sites ao alcance de um clique, como saber quais valem a pena? De que forma diferenciar os bons daqueles que são pura perda de tempo? O UOL Tecnologia conversou com especialistas em educação à distância, traçou um perfil do tipo de estudante que aprende uma nova língua com sucesso por meio do método e selecionou alguns sites do gênero, com seus prós e contras.

Dicionário de Profissões: Ciências Contábeis


Esse profissional planeja, coordena e controla os registros financeiros de uma empresa ou pessoa física, permitindo que se tenha uma visão precisa do patrimônio. Interpreta eventos econômicos para nortear as decisões dos dirigentes da companhia sobre o negócio. Também pode ser responsável por organizar o pagamento de tributos do cliente.

A auditoria e as perícias contábeis são atividades exclusivas do contador. Para obter o registro no Conselho Regional de Contabilidade, obrigatório para exercer a profissão, é preciso fazer um exame que comprove o domínio sobre os conhecimentos da área.


O curso

O primeiro dos quatro anos do curso é ocupado com as disciplinas básicas, como sociologia, português, economia e administração. Em seguida vêm as disciplinas técnicas e gerenciais, como teoria da contabilidade, planejamento e contabilidade financeira. Há também aulas de legislação comercial, direito e planejamento tributário. No terceiro ano começam as aulas de auditoria e perícia.

É importante participar de seminários e assistir a palestras sobre questões da atualidade, oferecidos pelas melhores escolas, para se manter informado e atualizado. O estágio nem sempre é obrigatório. Algumas faculdades exigem uma monografia de conclusão do curso.

Fonte: site Guia do Estudante

Estágios e Programas de Trainee

Treino é treino. Jogo é jogo

Durante toda sua vida você vem se preparando para começar a trabalhar e a conquistar sua independência. Agora que o momento chegou, você está cheio de esperança, confiante em seu talento e pronto para vencer na vida. Nada mais justo!
Mas quem disse que a vida é justa?A verdade é que o mundo profissional é bem diferente daquele que você conhece. Para começar, é muito mais competitivo. Vagas nas grandes empresas são até 20 vezes mais disputadas que nas melhores universidades. Mesmo que conquiste uma delas, terá de ralar para se manter e, mais ainda, para progredir. O mundo profissional é menos transparente também.
A linha entre o certo e o errado não é tão nítida, e os critérios pelos quais você será avaliado tampouco. Mais: essas regras não escritas mudam de um dia para o outro, de uma empresa para a outra. Nesta edição, o GUIA DO ESTUDANTE destacou oportunidades nas maiores companhias do país, nas quais as características do "mundo real" são exacerbadas.
Mas essa não é a única maneira de entrar no mercado de trabalho. Aliás, a maior parte dos empregos no país encontra-se nas pequenas e médias empresas, sem falar no funcionalismo público e no terceiro setor.
Mas não se assuste, não se deixe intimidar por esse universo imenso e desconhecido. Lembre-se de que você não está apenas tentando ser escolhido, mas também fazendo opções determinantes para seu sucesso. Mais do que qualquer coisa que aprendeu na escola, são seu entusiasmo e sua dedicação que farão de você um grande profissional. E isso só tem quem ama o que faz e o lugar onde trabalha.


Boa sorte!Rodrigo Paranhos VellosoDiretor de Redação

Acredite em você

"Desconfie do destino e acredite em você.
Gaste mais horas realizando que sonhando,
fazendo que planejando,
vivendo que esperando....
Porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive , já morreu..."

Luiz Fernando Veríssimo

Pense num trio...




Guto, Alexandre Almeida e Carlos Almir

Um conjugado

Sensacional! Vale a pena ser lido

Danusa Leão

A maior dificuldade deve ser, depois de um dia de trabalho, chegar em casa, tomar banho e escolher em que sala ficar

AS PESSOAS passam grande parte da vida correndo atrás de um sonho: mudar para um apartamento maior com três quartos, dois banheiros, e se tiver playground e piscina no prédio, é a felicidade total.Para os muito ricos isso não é nada. Casa de rico tem coisas que até Deus duvida: sala de jantar para ocasiões mais formais, sala de almoço para o dia-a-dia, biblioteca para conversas privadas, uma sala pequena e íntima para ler os jornais e tomar o café da manhã, e salas e mais salas, que só são ocupadas, aliás, em dias de grandes festas.
Mesmo ficando dois, três meses sem ninguém entrar, os cinzeiros e porta-retratos de prata brilham, e os potinhos com chocolate estão sempre regularmente cheios. Nessas casas, são várias geladeiras: uma para frutas e doces, outra para os legumes (fora as dos vinhos), freezer para carnes e freezer para produtos vindos diretamente do mar.
Quem cuida de tudo isso? A dona da casa? Só se tiver feito um curso de administração de empresas e de culinária, fora o de psicologia. Lidar com tanta gente, administrar as tensões de dez, 15 empregados, não é tarefa para qualquer um.
Pensar em como vivem essas pessoas me intriga: quem faz as compras? E dá para saber se quem faz essas compras está sendo honesta, que 20 pés de alface por semana é o consumo normal, ou 17 seria o suficiente? Feira, todo mundo sabe, não fornece nota fiscal. Deve ser um problema ser muito rico.
Como saber, quando um dos motoristas diz que está na hora de trocar o óleo de um dos carros, se é verdade mesmo ou se o recibo é um acerto entre ele e o dono do posto? Os ricos de gosto mais tradicional costumam ter dezenas de meias pretas -importadas, claro.
Será que alguém conta, toda semana, para ver se está faltando alguma? E se estiver, será que ele percebe? E os sabonetes, pastas de dentes, desodorantes, que devem ser comprados em quantidade industrial, ficam guardados num armário trancado a chave? E quem guarda a chave? Difícil também deve ser na hora do jantar. Será que os muito ricos sabem o que vão comer, ou é sempre uma surpresa do cozinheiro? Se em qualquer botequim de subúrbio o cliente tem o direito de escolher entre um mocotó ou uma dobradinha com feijão-branco, por que os ricos não têm esse direito? Isso é que se chama injustiça social.
Mas a maior dificuldade deve ser, depois de um dia de trabalho, chegar em casa, tomar banho e escolher em que sala vai ficar. Na de chintz estampado ou naquela de sofá listado? No jardim de inverno ou na varanda com vista para a piscina? Um problema.
Um dia eu tive coragem e resolvi pesquisar com um milionário que conheço: perguntei, na lata, como é que ele faz, nessa situação que se repete todos os dias, e a resposta veio, clara e simples. Como sua casa é imensa, o quarto de dormir também é imenso, e nele o decorador -sábio- colocou uma grande televisão, o som, os discos mais queridos, uma bandeja com uísque e vodca e uma geladeirinha onde ficam refrigerantes, chocolates e gelo. Aí ele liga para a cozinha pelo interfone e pede o jantar no quarto, numa bandeja. Come vendo televisão, depois ouve um disco, lê um livro e dorme sem nem lembrar que o resto da casa existe -igualzinho aos pobres.
Você que sonha com um apartamento igual ao dos ricos aprenda mais esta: ninguém precisa de mais do que um conjugado para ser feliz.
Nem eles.

De volta à floresta


O diretor da organização The Green Initiative explica como reverter a devastação com o plantio de árvores

por Eduardo Araia

Ao ligar seu carro, ouvir um CD ou acender uma lâmpada, você participa de uma cadeia poluidora que despeja no ar mais gases ligados ao aumento da temperatura média da Terra. Conscientes disso, muitas pessoas e empresas já buscam alternativas para compensar a situação. Uma opção é oferecida pela organização paulistana The Green Initiative. Enquanto outras entidades em geral “trocam” a quantidade de emissão de gases do efeito estufa por créditos de carbono, a organização propõe neutralizá-la recompondo áreas de mata degradada às margens de rios e lagos.
A Green Initiative tem apenas um ano, mas seus diretores ­ os engenheiros Osvaldo Martins e Francisco Maciel, o biólogo Roberto Strumpf e o engenheiro de computação David Dieguez ­ atuam há mais de uma década na área, desenvolvendo projetos para governos, indústrias e instituições. A entidade ganhou nome em inglês porque, segundo Osvaldo, a expectativa era trabalhar com a adesão de parceiros estrangeiros. Mas muitos brasileiros têm procurado a organização. O escritório de advocacia Pinheiro Neto (um dos maiores do país), por exemplo, calculou suas emissões de cinco anos e, para neutralizá-las, financiará o plantio de 64 mil árvores nativas da mata Atlântica. Já a banda de pagode Jeito Moleque chamou a entidade para neutralizar o primeiro show da turnê. “Se alguém em contato direto com o público jovem tem essa consciência, as coisas estão melhorando mesmo”, diz Osvaldo.


Como surgiu a idéia de criar a The Green Initiative?

O tema de meu doutorado em ecologia foi o potencial de absorção de carbono na recomposição de matas ciliares. A idéia era desenvolver projetos desse tipo com créditos de carbono fl orestal, como definido no Protocolo de Kyoto. Concluí que é muito difícil fazer um projeto como esse, porque há no Protocolo uma série de obstáculos para implantá-lo. Por exemplo, Kyoto contempla sistemas que são lucrativos por si sós, como uma usina de açúcar; já as fl orestas, para a economia convencional, não dão lucro. Ao analisar essa questão, pensamos na The Green Initiative como um sistema voluntário ­ ou seja, não é preciso passar pela burocracia de Kyoto e não há geração de créditos de carbono ­ em que uma pessoa ou empresa decide tornar seu processo mais eficiente em termos ambientais, com ênfase na questão do efeito estufa. Fazemos um inventário de emissão de gases de efeito estufa do projeto e uma relação metodológica para determinar quantas árvores é preciso plantar a fim de absorvê-los na atmosfera.


As florestas do Brasil não ajudam a combater o efeito estufa, como se acredita já há algum tempo?

A relação entre florestas e efeito estufa é algo muito delicado no Brasil. Cerca de 75% de nossas emissões de gases vêm, direta ou indiretamente, da devastação das florestas; se as considerarmos no balanço de emissão, o país está entre os cinco maiores poluidores do mundo.
Qual foi o primeiro projeto da ONG?Foi a neutralização do CD de Txai Brasil, lançado no ano passado na conferência da ONU de mudanças climáticas. Fizemos o inventário de emissões do álbum, desde a obtenção do policarbonato até o consumo de energia caso o CD fosse ouvido uma vez por semana durante dez anos. Concluímos que, para cada CD, é emitido 1,8 quilo de dióxido de carbono. Como a tiragem foi de 3 mil exemplares, fizemos o plantio de 216 árvores.


Vocês monitoram o projeto depois da implantação?

Precisamos acompanhá-lo nos primeiros dois anos de reflorestamento ­ a fase em que as mudas se adaptam às áreas recuperadas, com o maior risco de mortalidade. Os projetos são monitorados em toda sua vida útil (mais de 20 anos) pelo Ibama e pela Polícia Florestal, pois, uma vez que as Áreas de Proteção Permanente (APPs) ­ como as áreas ciliares, prioritárias em nossos projetos ­ sejam recuperadas, sua existência intacta se torna obrigatória por lei.
Como a organização escolhe as áreas de plantio?Só no estado de São Paulo há 1 milhão de hectares de Áreas de Proteção Permanente de mata ciliar sem vegetação. A forma mais segura de encontrar essas áreas é recorrer ao cadastro dos Comitês de Bacias da Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Esses comitês se inscrevem no Programa de Recuperação de Mata Ciliar da Secretaria, que não tem recursos para todos os casos. Contatamos alguém que não pôde ser atendido e acertamos a implantação.


Resgatar a dívida ambiental pelo plantio de árvores compensa outras alternativas, como a redução do consumo de combustíveis fósseis?

Por mais eficiente que seja o processo, sempre haverá poluição ­ e, portanto, espaço para compensações ambientais, como a recuperação florestal. A grande questão ambiental do mundo não é a busca por energias mais limpas, é o questionamento dos padrões de consumo. Seria impossível expandir para a Terra o padrão de consumo de um cidadão americano; não haveria energia disponível nem depósito sufi ciente para tantos resíduos. O efeito estufa mostra isso: o depósito ficou cheio de CO2.


Há uma calculadora no site de vocês que permite que pessoas e famílias saibam quanto emitem de gases do efeito estufa. Como funciona?

O primeiro número a inserir é quantos quilowatts/hora de energia elétrica a pessoa consome em casa. As emissões ligadas ao transporte vêm a seguir. O outro componente é o consumo de gás de cozinha. A calculadora totaliza os valores e indica quantas árvores é preciso plantar para absorver esse gás.
O que cada brasileiro pode fazer em seu cotidiano para ajudar a reduzir a poluição?Além de ter, na média, um padrão de consumo baixo, o Brasil usa uma energia mais limpa que a de outros países. A grande contribuição do cidadão médio brasileiro seria reciclar, reutilizar, economizar em tudo. Tratar os bens, objetos, recursos naturais de forma respeitosa. Plantar muitas árvores ­ nunca serão demais ­ e, principalmente, educar as crianças, porque a mudança da interferência do homem no meio ambiente é uma atividade de longuíssimo prazo.
Extra:Saiba mais sobre a organização The Green Initiative, que luta para reverter a devastação da natureza com o plantio de árvores.


Acesse o site da organização: http://www.thegreeninitiative.com/

Fonte : site Vida Simples

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

De geração em geração


Beatriz e Carlos com os sobrinhos "tataranetos".
João Vitor e Rodriguinho são filhos de João Carlos e Analine (respectivamente), os quais são filhos de Alineide e Aline (respectivamente), as quais são filhas de Aleuda, a qual é filha de João, irmão de Beatriz e Carlos!!
Haja racioncínio! Deu pra entender???
Geração Almeida... de 2 a 90 anos de idade.

A AFA de hoje e amanhã


Aroldo Neto é um dos integrantes da AFA que comparece a todos os eventos. Vive a AFA intensamente. Fico imaginando o quanto a AFA está sendo importante para sua formação bem como para a formação de outros integrantes de sua geração.

Dicionário de Profissões: Ciência da Computação


O bacharel em Ciência da Computação analisa as necessidades dos usuários, desenvolve programas e aplicativos, gerencia equipes de criação e instala sistemas de computação. É ele quem elabora softwares, desde programas básicos de controle de estoque até os mais complexos sistemas de processamento de informações, como os utilizados nas pesquisas espaciais e na medicina genética.

Presente em todos os setores da economia, também dá assistência aos usuários, mantém redes de computadores em funcionamento e assegura as conexões com a internet. Em indústrias e institutos de pesquisa, implanta bancos de dados e instala sistemas de segurança para as operações de compra e venda pela rede.


O curso

O curso exige que você tenha facilidade para raciocínios abstratos e fazer contas, pois ele é uma maratona de cálculos. As disciplinas básicas incluem matemática, física, eletricidade, eletrônica, fundamentos da computação e linguagens formais.

Fique preparado para se envolver também em atividades que buscam o aprimoramento da capacidade de expressão e do relacionamento humano.Na USP, por exemplo, o aluno faz leitura dramática para aprender a se expressar melhor.

Para que o estudante possa gerenciar o próprio negócio, a maioria dos cursos inclui no currículo disciplinas de administração e empreendedorismo. Na conclusão da graduação é exigida uma monografia.

Duração média: quatro anos.

Cearense, sim senhor

Praça do Ferreira antiga


José Sarney

ESTIVE em Fortaleza para uma feira de livro. Revivi lembranças do Ceará, principalmente da mocidade, nos Congressos de Escritores e de Poesia, no Grupo Clã e com velhos amigos intelectuais -muitos já se foram.

Aquele Ceará das secas e lamentações não existe mais. Diz-se que o Brasil não tem um livro símbolo, assim como é o "Quixote" para a Espanha. Chegaram a propor que fosse "Os Sertões", de Euclides da Cunha, mas não pegou. Ele foi quem primeiro apreendeu o sentimento do Nordeste. No seu tempo, não se chamava assim, e a região que ele radiografou -Canudos- era consagrada como sertões. Sobre o sedutor tema já tinham escrito muitos brasileiros, como Afonso Arinos (o velho) e Coelho Neto. Euclides cunhou aquele "o sertanejo é antes de tudo um forte", que virou chavão, e o cearense passou a ser o paradigma desse homem cabeça-chata, ousado e valente.

O Ceará, já escrevi, tem um solo árido e marcado pelas secas famosas -a última delas, e talvez não a pior (1915), consagrada no "Quinze", de nossa Rachel de Queiroz-, mas tem uma riqueza extraordinária: o cearense. A aspereza do clima e da terra, a alternância das noites frias e dos dias quentes, secos e úmidos, a necessidade de lutar por tudo, da água à comida, das vestes aos caminhos da caatinga, deu-lhe uma alma de resistência e realismo. Ele não tem aquela solidão leniente e melancólica dos sertanejos do Brasil Central. Tornou-se um povo andante e empreendedor. Transformou pedra em casa.

Outrora falar Ceará era falar de chuva e seca. Era a saudação de chegada: "Está chovendo?". Uma vez a fiz no aeroporto a um despachante, e o espírito otimista do cearense, com algumas chuvas já caídas, me respondeu: "Doutor, está morrendo sapo afogado". Hoje se discute turismo, a siderúrgica, os grandes empreendimentos e, para surpresa minha, o forte movimento cultural e editorial que ali se processa, com excelentes escritores.

Em 1947, na primeira vez que saí do Maranhão, foi para uma reunião de intelectuais no Ceará. Fran Martins, Aluísio Medeiros, Antonio Girão Barroso e outros lideravam o movimento neomodernista, que em cada Estado tinha um grupo -no Maranhão, Tribuzzi, eu, Ferreira Gullar, Burnett e uma rapaziada boa. Hospedei-me na pensão Sobral, rua Senador Pompeu.

Agora (tantos anos!), quis fazer um roteiro sentimental. Hoje, arranha-céus, avenidas, turistas, camelôs. Nada mais existe da pensão Sobral, a não ser dentro de mim. Restam os "verdes mares bravios", de Alencar. E o "oco do tempo", como chamava o Patativa do Assaré, agora homenageado pelas belas coleções "Demócrito Rocha", feitas por Albanisa Lúcia Dummar Pontes. Mas não mudou a riqueza que é o cearense, sim senhor.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Encontro de gigantes



Carlos e Beatriz. Irmãos em recente encontro em Fortaleza, quando da visita do primeiro à sua filha Isabel Luísa, a qual encontra-se morando em Fortaleza.

A alegria constante de Socorro & Cia

Socorro, com Bebel e o com neto Gabriel


Dicionário de Profissões: Biblioteconomia


O bibliotecário trabalha como um administrador de dados, que também processa e dissemina a informação. Além de catalogar e guardar as informações, ele orienta sua busca e seleção.
Cabe-lhe analisar, sintetizar e organizar livros, revistas, documentos, fotos, filmes e vídeos. É de sua responsabilidade planejar, implementar e gerenciar sistemas de informação, além de preservar os suportes (mídias) para que resistam ao tempo e ao uso.
Trabalha em bibliotecas públicas, escolares ou particulares, centros de documentação, arquivos, museus, centros culturais e de memória, hemerotecas, editoras, empresas de comunicação, provedores de internet, ONGs, clubes e associações.
Sua atuação se volta cada vez mais para a criação e a manutenção de arquivos digitais e para a montagem de bancos de dados em computadores, empregando sistemas de informática e a internet.
O curso
Dentre as disciplinas básicas estão língua portuguesa, inglês, história e literatura. As específicas incluem métodos de pesquisa, tecnologias da informação, planejamento bibliotecário e projeto experimental em biblioteconomia.
Com elas, o aluno se prepara para montar sistemas de organização e de acesso aos dados. O estágio é obrigatório e exige-se, ainda, uma monografia de conclusão de curso.
Duração média: quatro anos.

'Aqui quem manda sou eu'.


O chefe de um departamento, sentindo que seus subordinados não respeitavam sua liderança, resolveu colocar uma placa na porta de seu escritório onde se lia:


'Aqui quem manda sou eu'.


Após ter voltado de uma reunião, viu o seguinte bilhete pregado junto à placa:'Sua esposa ligou e pede para que devolva a placa'

Enviado por Arlindo de Almeida Simões, Fortaleza/Ce

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

A "baiana" Sofia




















Nos poucos dias que passou em Salvador para participar de um Congresso, Sofia caprichou no visual arrumadando o cabelo bem ao estilo local.

Dicionário de Profissões: Artes Cênicas


O bacharel em Artes Cênicas é um especialista em utilizar a voz e os movimentos corporais para transmitir ao público histórias, idéias, sentimentos e emoções. Ao fazer isso, critica a sociedade, sua cultura e seus hábitos. Como ator, trabalha em peças teatrais, filmes, telenovelas e comerciais para a TV.

Pode dedicar-se à direção de espetáculos, à criação de cenários e de ambientes (cenografia) ou tomar as providências necessárias à realização do evento (produção).

Conhecedor das técnicas teatrais, é habilitado a fazer críticas a espetáculos e a elaborar obras didáticas ou de dramaturgia. A atividade de dublagem, que cresceu bastante nos últimos anos por causa da exibição de filmes estrangeiros nos canais de TV por assinatura, é reservada a esse profissional.


O curso

Já no vestibular, ao fazer as provas de aptidão, você precisa demonstrar que leva jeito para a arte de representar. O currículo traz poucas disciplinas teóricas, como história das artes cênicas, literatura dramática e filosofia. Em compensação, há muitas aulas práticas: de técnica vocal, expressão corporal, interpretação dramática e caracterização cênica, por exemplo.

Algumas escolas ensinam técnicas envolvidas na produção de espetáculos. Em outras, você deve optar, ainda no vestibular, por uma habilitação específica, como cenografia ou interpretação. Para lecionar, você pode cursar Artes Cênicas como habilitação da licenciatura em Artes ou em Educação Artística. Duração média: quatro anos.

Churchil, genial


Quando Churchill completava 80 anos um periodista com menos de 30 foi fotografa-lo e lhe disse:
Sr Winston, espero fotografa-lo novamente quando fizer 90 anos.
Resposta de Churchill:
Porque não? Você parece bastante saudável.
----------------------------------------------------------------

Telegramas trocados entre Bernard Shaw ( maior dramaturgo Inglês do século 20) e Churchill
(maior líder Inglês do século 20)
Convite de Bernard Shaw a Churchill:
Tenho a honra de convidar ao digno primeiro Ministro para a inauguração de minha obra
Pigmalião.
Venha e traga um amigo, se o tem.
Bernard Shaw

Resposta de Churchill a Bernard Shaw:
Agradeço ao ilustre escritor o honroso convite.
Infelizmente não poderei comparecer a primeira apresentação. Irei à segunda, se acontecer
Winston Churchill
--------------------------------------------------------------

Sucedeu no Parlamento Inglês. Foi durante um dos discursos de Churchill, em que uma deputada da oposição pediu a palavra.
Todos sabiam que Churchill não gostava que interrompessem seus discursos.
Mas a palavra é concedida e a deputada disse em alto e bom som.:
Sr. Ministro.Se V.Excia fosse meu marido, eu poria veneno em seu café.
Churchil, com muita calma, ajeitou as lentes, e naquele silencio em que todos estavam esperando, a resposta, exclamou:
E se eu fosse seu marido eu tomava esse café.


Sir Winston Leonard Spencer Churchill (30 de Novembro de 1874, Woodstock, Oxfordshire24 de Janeiro de 1965, Londres) foi um estadista britânico, escritor, jornalista, orador e historiador, famoso principalmente por ser o primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial.

Salvador e Lisboa, quão semelhantes


LISBOA – Porto, ladeiras, construções dos séculos passados e o mar. Cidades de dois andares, com elevador, escadarias e pessoas dispostas a conversar sobre tantas coisas nas ruas. Lisboa e Salvador têm muito em comum, e de incomum, em relação ao resto do mundo. As culturas que se misturaram nas duas cidades continuam a se corresponder. É muito fácil encontrar Salvador em Lisboa e Lisboa em Salvador. “Salvador expressa muito essa multiplicidade étnica do Império Português. Tem o mesmo bouquet, você se sente em casa. O maior patrimônio, além do casario, é o antropológico desse mundo atlântico”, aponta o historiador Ubiratan Castro, presidente da Fundação Pedro Calmon.

Uma cidade serviu de espelho para a outra, antes e depois do terremoto de 1755, que abalou não só as construções da cidade portuguesa, mas também o pensamento de uma época. “Salvador teve como modelo Lisboa quando era a capital do Império. Quando houve o terremoto, muito se reconstruiu com base no que tinha em Salvador”, diz Ubiratan Castro.

A história está exposta nos prédios, nos traçados urbanos e nos moradores das duas cidades. Aludindo a Michel de Certeau, o professor Paulo César Alves, da pós-graduação em Cultura e Sociedade, da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, diz, referindo-se a Lisboa, que o presente está no passado. A diferença em relação a Salvador é que a Lisboa contemporânea aparece viva, tranqüila. Os lisboetas mantêm a rotina, apesar de tantos turistas.

“Presentemente, em Portugal e na Europa, o patrimônio (material e imaterial) ganhou relevo bastante significativo. As comunidades conferem-lhe particular atenção e, mais do que isso, uma particular participação. O patrimônio passou a ser vivido e a fazer parte do prolongamento da ‘pessoa’”, diz o diretor de gestão cultural da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (Egeac), de Lisboa, Pedro Moreira.

ORGANIZAÇÃO – Arquitetonicamente, não há choques entre o velho e o novo. Até o complexo da Expo 98, que passou a se destacar à beira do Tejo, projeta-se para marcar o presente. A dinâmica de cidade é azeitada, sem engarrafamentos significativos ou transtornos visuais por anúncios insistentes. As fachadas das casas antigas são mantidas. São raras as coberturas como as que acabaram com a graça das construções da Baixa dos Sapateiros.

Em Lisboa, a Baixa é a Pombalina, em alusão ao intrépido Marquês de Pombal, que mandou reconstruir a cidade depois do terremoto: “Enterrem-se os mortos e cuidem dos vivos” é sua célebre frase. Rigorosamente planejada, a Baixa – como é chamada – fica entre os medievais Bairro Alto e Alfama, que resistiram ao cataclisma. A formação do urbanismo da Era Clássica e a sofisticação da Era Moderna podem ser conferidas com um subir e descer de ladeiras.

Na Baixa, as lojas da Rua Augusta e adjacências são como eram. Com vitrines imensas, sem grandes jogos cênicos, mesmo quando expõem tênis elegantes junto a sapatos de couro “made in Portugal”. Lembram casas como A Lâmpada, isolada no Comércio, em Salvador, com sua fachada modificada, mas com ladrilhos hidráulicos e armários de madeira e vidro antigos. Na Baixa, sucedem-se lojas de vinho, de confecções com cabides pendurados, os armarinhos.

Chegar ao Bairro Alto a pé é muito mais cansativo do que pegar uma Ladeira da Preguiça ou da Conceição, em Salvador. As ladeiras que têm sua base na Baixa Pombalina são mais íngremes, e há infindáveis escadarias por entre os prédios, tal como nas invasões das atuais periferias baianas.

TERREMOTO – O terremoto em 1° de novembro de 1755, dia de Todos os Santos, praticamente destruiu Lisboa e atingiu parte do Algarve, sul de Portugal. O mar invadiu a cidade e incêndios se espalharam. O impacto político e socioeconômico na sociedade cristã do século XVIII foi enorme e propiciou uma discussão de filósofos iluministas.

Cerca de 85% das construções de Lisboa foram destruídas, incluindo palácios, conventos, igrejas e hospitais. A Casa da Ópera, construída seis meses antes, foi consumida pelo fogo. O Palácio Real, às margem do Tejo, acabou-se em ruínas, incluindo a sua biblioteca, com 70 mil volumes e obras de arte. Coisa semelhante aconteceu com os documentos dos descobrimentos, no Arquivo Real. A família real escapou porque passava dias em Belém, localidade que fica um pouco afastada de Lisboa. É onde hoje se comem os pastéis de nata mais famosos do país. Por causa do terremoto, D. José passou a morar em uma tenda no Alto da Ajuda, na Real Barraca.


Fonte: Jornal A TARDE, Salvador/Ba

domingo, 25 de novembro de 2007

Site de música sensacional



Basta clicar, digitar o nome do músico ou cantor....e curtir

Enviado por Arlindo de Almeida Simões, Fortaleza/Ce

Garotas obesas são mais propensas à depressão na idade adulta



Garotas adolescentes obesas podem ser mais propensas do que as mais magras a desenvolver depressão ou problemas de ansiedade quando adultas, segundo um estudo da Universidade do Estado de Ohio, nos Estados Unidos.
Apesar da pesquisa não deixar claras as razões, baseados também em outro estudo, os autores acreditam que o estigma e as piadinhas dos colegas podem cumprir um papel importante em alguns casos.
Na pesquisa, os autores acompanharam, por 20 anos, cerca de 800 crianças e adolescentes. E observaram que as garotas obesas tinham quatro vezes maior risco de depressão clínica um problemas de ansiedade na idade adulta.
Isso não foi observado entre os garotos, segundo eles, porque a mulher está sob maior pressão para ser magra e tendem a ser mais insatisfeitas com o corpo.

Fonte: Blog Boa Saúde



Lunguices


Se essas não são de Seu Lunga bem que poderiam ser


1. Quando te vêem deitado, de olhos fechados, na sua cama, com a luz apagada e te perguntam:- Você tá dormindo?
- Não, tô treinando pra morrer!


2. Quando a gente leva um aparelho eletrônico para a manutenção e o técnico pergunta:- Tá com defeito?
- Não é que ele estava cansado de ficar em casa e eu o trouxe para passear.


3. Quando está chovendo e percebem que você vai encarar a chuva, perguntam: - Vai sair nessa chuva?
- Não, vou sair na próxima.


4. Quando você acaba de levantar, aí vem um idiota (sempre) e pergunta:- Acordou?
- Não. Sou sonâmbulo!


5. Seu amigo liga para sua casa e pergunta: - Onde você está?
- No Pólo Norte! Um furacão levou a minha casa pra lá!

6. Você acaba de tomar banho e alguém pergunta:- Você tomou banho?
- Não, mergulhei no vaso sanitário!

7. Você ta na frente do elevador da garagem do seu prédio e chega um que pergunta: - Vai subir? - Não, não, tô esperando meu apartamento descer pra me pegar.

8. O homem chega à casa da namorada com um enorme buque de flores. Até que ela diz:- Flores?
- Não! São cenouras.

9. Você está no banheiro quando alguém bate na porta e pergunta:- Tem gente?
- Não! É o cocô que está falando!

10. Você chega ao banco com um cheque e pede pra trocar:- Em dinheiro??
- Não, me dá tudo em clips!

A estréia de um romancista


Prezados amigos,
De volta à casa, retomo minhas mensagens semanais. Desta vez com uma autora que muito tem se ocupado com os assuntos do Brasil.
Veja no anexo a mensagem número 27.
Um abraço
---Carlos Almeida
Tel: 83 3321-0084
Skype: carlostrad




23.11.2007
Na maioria das mensagens anteriores ocupamo-nos com autores de língua alemã tratando de problemas que tocam também a nós, por serem assuntos de interesse universal. Existirão também escritores de língua alemã tratando de assuntos do Brasil? Pode não parecer provável, mas existem. A autora que hoje atrai nossa atenção é a Dra. Ingrid Schwamborn (foto). Sua tese de doutorado tem por tema os romances indianistas (O Guarani, Iracema, Ubirajara) do nosso brasileiríssimo romancista cearense José de Alencar. A Dra. Schwamborn, que todos os anos alterna sua residência entre Bonn (Alemanha) e a Prainha (próximo a Fortaleza, CE,) tem produzido também numerosos artigos, sempre envolvendo os interesses de nossos dois povos, o brasileiro e o alemão: A (Re)descoberta do Brasil, Stefan Zweig e o Brasil, Zweig e Getúlio, Os Holandeses no Brasil, A brasileira Júlia Mann (mãe do famoso prêmio Nobel de Literatura Thomas Mann), e por aí vai. No que segue, uma primeira informação sobre ...

27. A estréia de um romancista

Nascido em 1829 no Ceará, o grande romancista José de Alencar só permaneceu em seu estado natal até os dez anos de idade, quando a família mudou-se para o Rio de Janeiro. Concluída a formação básica, estudou Direito em São Paulo e Olinda. Nesta última cidade, na biblioteca do Mosteiro de São Bento, ele teve um primeiro contato com os “cronistas da era colonial” do Brasil. De volta ao Rio, trabalhou a serviço de um advogado, mas logo começou a escrever uma seção em um jornal, passando em seguida a colaborar com o Diário do Rio de Janeiro. Suas primeiras produções literárias foram o romance “Cinco Minutos” e as “Cartas sobre a Confederação dos Tamoyos”.
Essas últimas marcam a primeira polêmica de Alencar com o Imperador Dom Pedro II, apenas três anos mais velho do que ele. Entusiasmado com a obra “A Confederação dos Tamoyos”, de Domingos José Gonçalves de Magalhães, o Imperador mandou imprimi-la em 1856, em edição de luxo. Para Alencar, o assunto era bem apropriado para uma epopéia nacional, mas o autor não se revelou à altura do tema: "A poesia não está à altura do assunto", escreveu ele. Um grande autor certamente teria conseguido apanhar um novo aspecto da paisagem brasileira. “Se algum dia quisesse cantar a minha terra e as suas belezas, pediria a Deus que me fizesse esquecer por um momento as minhas idéias de homem civilizado”.
A brochura “Cinco minutos”, no final de 1856, foi enviada aos assinantes do Diário como um "um mimo de festa". Não se indicava indicava o nome do autor, mas este estava sempre atento às reações do público. Estimulado por este primeiro e modesto êxito, que não era devido a um nome célebre nem a críticas elogiosas, teve início a pleno vapor, como uma verdadeira explosão, o período de produção literária de Alencar.
Em 10 de janeiro de 1857 Alencar iniciou um novo roman­ce seriado, que veio a ser o maior sucesso da história do jorna­lismo brasileiro: O Guarani. Em 58 seqüências, de 10 de janeiro a 20 de abril de 1857, dia após dia, sob as mais adversas circunstâncias, aparentemente seguin­do a inspiração do momento, mas na realidade de acordo com um plano preconcebido, um “manuscrito interior”, Alencar, ainda como autor anônimo, escreveu este extenso romance histórico, que narra a dramática história de amor entre a nobre moça portu­guesa Ceci e o índio Peri, uma espécie de Tarzã da tribo dos Guaranis.
Tão empolgantes eram o estilo e a trama desta romântica história de aventuras que os leitores no Rio de Janeiro e São Paulo, sobretudo os estudantes e os círculos femininos da fina sociedade, aguardavam com avidez a próxima seqüência deste primeiro roman­ce autenticamente brasileiro. A tiragem do Diário subiu tanto que em 5 de abril de 1857, aos 27 anos, Alencar foi promovido de "Redator Gerente" a "Redator em Chefe" do jornal, que agora voltava a ser prestigioso.
A 20 de abril de 1857 O Guarani chegava ao fim, com o desde então muito citado epílogo em que, depois da enchente, Ceci e Peri desaparecem no horizonte sobre a copa de uma palmeira.
Ainda nesse ano de 1857 Alencar, por própria conta, publicou O Guarani em forma de livro, na própria editora do Diário. Com uma tiragem de 1000 exemplares. O nome do autor não figura na capa, aparecendo só do lado de dentro: J. DE ALENCAR. Diz-se que desta primeira edição existem hoje apenas dois preciosos exemplares. A segunda edição (1864), e todas as edições subseqüentes ficaram a cargo do livreiro francês Baptiste Louis Garnier, que, havendo-se estabelecido no Rio de Janeiro mandava imprimir em Paris numerosos livros brasileiros. Foi ele quem descobriu Alencar para o mercado dos livros, vindo com isto ele próprio a constituir-se numa instituição literária do Brasil do século XIX.
Apesar do silêncio dos críticos quanto à primeira edição, O Guarani veio a ser para ALENCAR o maior sucesso de público. Para a maioria dos seus amigos e inimigos, até sua morte ele permaneceu "o autor do Guarani".
Anos mais tarde, o jovem compositor Antônio Carlos Gomes, que Dom Pedro II mandara estudar música na Itália, tão empolgado ficou com este romance brasileiro que o transformou na ópera O Guarani, estreada em 19 de março de 1870 no Scala de Milão. Diz-se que quando ALENCAR, em 2 de dezembro de 1870, assistiu à estréia desta ópera no Rio de Janeiro, ele teria abandona­do a sala, decepcionado: “O Gomes fez do meu Guarani uma embrulhada sem nome, cheia de disparates”.
Durante gerações - até o surgimento das revistas em quadrinhos e da televisão - O Guarani permaneceu sen­do o romance brasileiro por excelência, enquanto A Confederação dos Tamoios caiu no esquecimento.
Texto baseado em Ingrid Schwamborn, O Guarani era um Tupi?
Adaptação e tradução de Carlos Almeida - carlostrad@uol.com.br, Campina Grande/Pb

sábado, 24 de novembro de 2007

AFA KIDS



Porque o tomate não pode ser xerife?

R.: porque ele é pele vermelha.


Sabe por que a água foi presa?

R.: porque matou a sede.

Quem vive passando o dente no cabelo?

R.: o pente.


São sete irmãos. Cinco têm sobrenome e dois não. Quem são eles?

R.: os dias da semana.

Quem fala errado: a Mônica ou o Cebolinha?

R.: a Mônica, pois o Cebolinha fala "elado"

.Quem é maior, o Sol ou a Lua?

R.: a Lua, porque já pode sair à noite.

Qual a época mais difícil para se comprar uma passagem para a Lua?

R.: quando a Lua está cheia.

Qual é a moeda que é campeã brasileira de futebol?

R.:o Cruzeiro.

Qual é o samba do terrorista?

R.: O-Samba Bin Laden.

ual a parte do corpo que mais coça?

R.: a unha.

Qual a ferramenta que já se foi?

R.: a foice.

Qual o sapato que está sempre quebrado?

R.: o "tá manco"...


Qual é o contrário de titia?

R.: tinoiti.

Qual a brincadeira predileta dos tímidos?

R.: esconde-esconde

Qual a palavra de 5 letras que, se tirarmos 7, ficam 11?

R.: abacaxi. Se tirarmos "abaca", fica o XI, 11 em números romanos.

Qual é a comida que liga e desliga?

R.: o strog-ON-OFF.

Qual o vinho que não tem álcool?

R.: oVINHO de Codorna.

Blog da AFA Globalizado mesmo


Nosso Blog tem um recurso que permite identificar o país de origem dos acessos que a ele são feitos.

Embora só tenhamos utilizado esse recurso há uma semana, portanto não sei ainda como saber essa estatística de períodos anteriores, fiquei muito contente ao saber que, além do Brasil, somente na semana que se encerra, fomos visitados por internautas de outros 16 países, e dos 5 continentes.

Sao eles:

Alemanha
Inglaterra
Austrália
Itália
Áustria
Noruega
Béigica
Portugal
Brasil
Suíça
Egito
Taiwan
França
Turquia
Holanda
USA
Venezuela (será que foi o Chavez ?)

O que era apenas projeto já passou a ser lei

Na foto vemos Waldo com repórter José Luís Datena, da BAND.



CEARÁ

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO

Fortaleza, 14 de novembro de 2.007

LEI Nº13.985, de 26 de outubro de 2007.
(Autoria: Deputado Nelson Martins)

DENOMINA DOUTOR FRANCISCO WALDO PESSOA DE ALMEIDA A CENTRAL DE TRANSPLANTE DO ESTADO DO CEARÁ.

O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ.
Faço saber que aAssembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei:
Art.1º Fica denominada Doutor Francisco Waldo Pessoa deAlmeida a Central de Transplante do Estado do Ceará.
Art.2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art.3º Revogam-se as disposições em contrário.
PALÁCIO IRACEMA, DO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ, emFortaleza, 26 de outubro de 2007.

Cid Ferreira Gomes GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ

Rádio DOSVOX

Na primeira foto temos Bebel e Carlos visitando a SAC e sendo recepcionados por Josélia e Alexandre.




Na foto seguinte temos Carlos Almeida sendo entrevistado pelo locutor Paulo Roberto da DOSVOX





http://www.sac.org.br/Radio.HTM


Recebo de Alexandre Almeida uma importante informação. É que através do endereço eletrônico acima podemos ter acesso pela internet a todo o acervo de programas da Rádio DOSVOX, que em Fortaleza é gerida pela SAC – Sociedade de Assistência aos Cegos, atualmente dirigida pela nossa querida Josélia.

Alexandre num gesto de extrema bondade recomenda ouvir os programas dos quais participo, o de número 134, sobre a AFA e o de número 140 sobre uma série de programas feitos somente com artistas deficientes visuais, o "Grandes Mestres da Música que Podem Ver na Escuridão". Eu já recomendo o programa de número 153 com Carlos Almeida, onde ele fala sobre sua extensa obra literária e sua história rica história de vida.

Parabéns ao Alexandre que, com a colaboração do Paulo Roberto e Ana Paula, fazem um trabalho extraordinário para essa comunidade tão especial.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Os avós são o máximo

Perguntaram a uma menina de nove anos o que ela gostaria de ser quando
crescesse.
Ela respondeu:
- Eu gostaria de ser avó!
Ao ser interrogada sobre o porquê dessa idéia, ela completou:
- Porque os avós escutam, compreendem. E, além do mais, a família se reúne
inteirinha na casa deles.
E a menina continuou:
- Uma avó é uma mulher velhinha que não tem filhos. Ela gosta dos filhos
dos outros. Um avô leva os meninos para passear e conversa com eles sobre
pescaria e outros assuntos parecidos.
Os avós não fazem nada, e por isso podem ficar mais tempo com a gente. Como
eles são velhinhos, não conseguem rolar pelo chão ou correr. Mas não faz
mal.

Enviado pelo vovô Joseoly Moreira, Fortaleza/Ce
Nos levam ao shopping e nos deixam olhar as vitrines até cansar.
Na casa deles tem sempre um vidro com balas e uma lata cheia de suspiros.
Eles contam histórias de nosso pai ou nossa mãe quando eram pequenos,
histórias de uns livros bem velhos com umas figuras lindas. Passeiam
conosco mostrando as flores, ensinando seus nomes, fazendo-nos sentir seu
perfume. Avós nunca dizem "Depressa, já pra cama!" ou "Se não fizer logo
vai ficar de castigo!".
Quase todos usam óculos e eu já vi uns tirando os dentes e as gengivas.
Quando a gente faz uma pergunta, os avós não dizem: - "Menino, não vê que
estou ocupado?" Eles param, pensam e respondem de um jeito que a gente
entende. Os avós sabem um bocado de coisas. Eles não falam com a gente como
se nós fôssemos bobos. Nem se referem a nós com expressões tipo "...que
gracinha!", como fazem algumas visitas.
O colo dos avós é quente e fofinho, bom de a gente sentar quando está
triste.
Todo mundo deveria tentar ter um avô ou uma avó, porque são os únicos
adultos que têm tempo para nós.
(Desconheço a autoria do texto)

Beatriz é homenageada no Dia da Música em Cascavel


No Dia da Música e do Músico, nesse dia 22, a cidade de Cascavel rendeu homenagem aos seus grandes mestres. E a principal homenageada foi Da. Beatriz que, durante as décadas de 50 a 70, quando lá residiu, ensinou as primeiras notas e teoria musical a tantos cascavelenses.

Apesar de isso ter acontecido há tanto tempo, essa simpática cidade do litoral leste cearense, distante a 60 km de Fortaleza, que é dirigida pelo dinâmico Prefeito Eduardo Florentino (PSDB), não esquece a figura de sua grande mestre, que, em sua longa passagem por lá, tanta gente formou. Lembro com muita saudade dos eventos em que Da. Beatriz regia corais e tocava um órgão movido a pedal na Igreja Matriz ou realizava eventos musicais no Grupo Escolar ou no Patronato Juvenal de Carvalho e também no Cine Teatro São João, locais dos quais guardo as melhores recordações.

É bom lembrar também que, Beatriz há uns poucos anos, foi agraciada com o título de cidadã cascavelense, justamente devido ao papel importante que desempenhou na comunidade local. Um detalhe interessante é que há mais de 20 anos, ela não punha os pés da cidade e mesmo assim seu povo jamais a esqueceu.

Sérgio Almeida Franco, Salvador/Ba

Como sobreviver depois de um mega fora

A tentação de ir atrás dele é grande. Enquanto não estiver bem, concentre-se em cuidar de você. Rejeição dói mesmo, mas acredite, não mata

Desilusão amorosa é aquela coisa: não adianta falar que todo mundo passa por isso, se quem está sofrendo é você. Mas contar como outras pessoas fizeram para dar a volta por cima, aí sim, pode ajudar. Quatro mulheres revelam as táticas que usaram para recuperar a auto-estima depois de levar um fora. A história delas mostra que o mais importante é escolher sair da fossa. E lembrar a frase de Vinicius de Moraes: "É melhor ser alegre que ser triste".

Mariana Takamatsu, 26 anos, produtora
Apostou em uma relação de um ano, mudou de Belo Horizonte para São Paulo para ficar perto dele. Sete meses depois, ele cansou. Mari acionou seu plano de emergência. Primeiro passo: cortar canais de comunicação. Excluiu o ex do MSN e do Orkut. Segundo: apagar lembranças. Rasgou as fotos dele. Terceiro: fugir da dor. Quando ela apertava, ia para a casa de uma amiga.

Sheila Zago, 26 anos, produtora cultural
Passou oito meses em um animado "só love" com seu par perfeito. Nenhuma briga, nenhum sinal de crise. Aí ele disse: "Não sei conciliar família, trabalho e namoro. Quero terminar". Sheila escreveu os defeitos dele em um papel. Sempre que pensava em ligar, lia a lista. No mais, foi borrar a maquiagem no colo das amigas, na melhor balada da cidade.

Núdia Fusco, 24 anos, jornalista
Conheceu um cara maravilhoso na balada e acreditou quando ele disse "Ligo amanhã sem falta", e nada! O telefonema só aconteceu dois dias depois e, apesar de ser um tempo razoável, ela ficou muito ansiosa e reagiu como se tivesse levado um fora. A receita dela para driblar um fora, mesmo que imaginário, é nunca ficar plantada esperando e jamais abrir mão dos amigos.

Mitiko Mine, 29 anos, designer
Com esse nome de personagem de mangá, Mitiko passou por uma história de cinema. Perdeu um namoro de três anos no dia em que deixou uma xícara de café cair na mesa. Por conta do incidente, o ex disse que não queria casar, que ela era um zero à esquerda. Mitiko ligou todos os dias para a melhor amiga, ouviu Cher no último volume, não desgrudou do iPod . E, claro, cortou o cabelo.

Fonte: UOL

Consumo de álcool pode afetar a audição, diz estudo


Se você não consegue ouvir direito durante uma conversa no bar, a razão pode não ser apenas por causa do barulho. Um estudo britânico indica que o álcool parece, temporariamente, abafar a audição, particularmente na diferenciação do som de conversas.
No estudo com 30 voluntários saudáveis com idades entre 20 e 40 anos, os pesquisadores observaram que aqueles que bebiam mais nos testes ficavam com a audição menos aguçada, principalmente na audição de menor freqüência, necessária para distinguir falas.
Embora não saibam as razões, eles argumentam que o álcool pode causar dano nos nervos auditivos ou afetar o processo do som no cérebro. E, apesar dos efeitos parecerem temporários – todos recuperaram a audição na semana seguinte – os autores alertam que o consumo regular poderia alterar de vez a audição.

Fonte: Blog Boa Saúde

Enviado por Maria Luíza de Abreu Sobral, Fortaleza/Ce

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Aldemir Pinheiro e sua elegância


Uma boa foto fala mais do que mil palavras

Alimentação saudável


1. DIFICULDADE DE PERDER PESO.

O QUE ESTÁ FALTANDO: ácidos graxos essenciais e vitamina A.
ONDE OBTER: semente de linhaça, cenoura e salmão - além de suplementos
específicos.

2. RETENÇÃO DE LÍQUIDOS.
O QUE ESTÁ FALTANDO : na verdade um desequilíbrio entre o potássio,
fósforo e sódio.
ONDE OBTER : água de coco, azeitona, pêssego, ameixa, figo, amêndoa,
nozes, acelga, coentro e os suplementos.

3. COMPULSÃO A DOCES.

O QUE ESTÁ FALTANDO : cromo
ONDE OBTER : cereais integrais, nozes, centeio, banana, espinafre,
cenoura + suplementos.

4. CÂIMBRA, DOR DE CABEÇA.

O QUE ESTÁ FALTANDO : potássio e magnésio.
ONDE OBTER: banana, cevada, milho, manga, pêssego, acerola, laranja.

5. DESCONFORTO INTESTINAL, GASES, INCHAÇO ABDOMINAL.

O QUE ESTÁ FALTANDO: lactobacilos vivos

ONDE OBTER : coalhada, iogurte, missô, yakult e similares.

6. MEMÓRIA RUIM.

O QUE ESTÁ FALTANDO : acetil colina, inositol.
ONDE OBTER : lecitina de soja, gema de ovo + suplementos

7. HIPOTIREOIDISMO. (PROVOCA GANHO DE PESO SEM CAUSA APARENTE)
O QUE ESTÁ FALTANDO : iodo.
ONDE OBTER : algas marinhas, cenoura, óleo, pêra, abacaxi, peixes de
água salgada e sal marinho.

8. CABELOS QUEBRADIÇOS E UNHAS FRACAS.

O QUE ESTÁ FALTANDO : colágeno.
ONDE OBTER: peixes, ovos, carnes magras, gelatina + suplementos.

9. FRAQUEZA, INDISPOSIÇÃO, MAL ESTAR.

O QUE ESTÁ FALTANDO : vitaminas A, C, e E e Ferro.
ONDE OBTER: verduras, frutas, carnes magras e suplementos.

10. COLESTEROL E TRIGLICERÍDEOS ALTOS.

O QUE ESTÁ FALTANDO : Ômega 3 e 6
ONDE OBTER: sardinha, salmão, abacate, azeite de oliva.

Cozinhe a seu favor...
Na medicina ortomolecular, a forma de cozinhar e até OS utensílios
utilizados ajudam a preservar OS nutrientes.


-Evite a ingestão excessiva de queijos e carnes gordas e frituras.

- A gordura acelera o processo de oxidação dos alimentos, opte pelo azeite
de oliva extra virgem.
-Cozinhe OS alimentos no vapor ou até 100ºC, pois muito calor também oxida
OS alimentos.
-Evite utensílios de alumínio; OS resíduos desse metal são tóxicos e podem
ficar nos alimentos.
-Preferir panelas de vidro ou antiaderentes.
-Em hipótese alguma aqueça OS seus alimentos em embalagens e recipientes de
plástico no microondas.
Fonte : Blog Boa Saúde
Enviado por Maria Luíza de Abreu Sobral, Fortaleza/Ce

Família - Sem descendentes

Preocupações com as mudanças na vida a dois e com a carreira levam cada vez mais casais à decisão de não engravidar

FLÁVIA MANTOVANI - Site UOL

F ilha única, sem tios ou primos e com pais e avós já falecidos, Taís Tanira Rodrigues é a última remanescente de seu ramo familiar. E, se depender dela, a carga genética da família vai parar por aí: aos 42 anos, a produtora cultural não tem filhos nem quer tê-los. "Sempre foi assim. Na adolescência, enquanto minhas amigas sonhavam com filhos, eu não fazia esse tipo de plano", afirma.

Casada há 23 anos com o escritor e roteirista Edison Rodrigues Filho, 47, Taís jura que gosta de crianças, mas diz não querer tê-las "em tempo integral". "O cotidiano com os pequenos é cheio de limitações. Já moramos em Porto Alegre, em Florianópolis, no Rio, em São Paulo... Essa liberdade de ir e vir nos agrada demais. E o universo maternal sempre me pareceu muito restrito. As mães passam a viver a vida dos filhos", acredita. "Sou companheiro fiel da minha mulher nessa opção. Somos felizes assim. Por que arriscar outra fórmula?", completa o marido.Taís e Edison são um exemplo de um tipo de casal que se torna cada vez mais comum: aquele que, mesmo sem ter detectado nenhum problema para engravidar, opta por não procriar.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que, de 1996 para 2006, a porcentagem de casais sem filhos em relação ao total dos arranjos familiares cresceu de 13,1% para 15,6%. No mesmo período, o percentual de casais com filhos caiu de 57,4% para 49,4%.

Uma pesquisa do Datafolha divulgada no mês passado, na qual foram ouvidas 2.093 pessoas, também sugere a tendência: 14% dos entrevistados que se declararam casados afirmaram não ter filhos -em 1998, 10% haviam declarado o mesmo para o instituto.Embora os dados não permitam separar os casais que não podem ter filhos daqueles que não querem, os especialistas garantem que esse último grupo é uma tendência em vários países. "Certamente, não ter filhos está em alta, apesar dos avanços nos tratamentos para infertilidade. À medida que entram para a força de trabalho, curtem o que fazem, esperam mais para se casar e vêem a luta das colegas para educar os filhos, mais e mais mulheres vêm optando por não tê-los", disse à Folha a americana Madelyn Cain-Inglese, que escreveu o livro "The Childless Revolution: What it Means To Be Childless Today" (a revolução dos sem filhos: o que significa não ter filhos hoje).A psicóloga brasileira Luci Helena Baraldo Mansur, autora de "Sem Filhos: a Mulher Singular no Plural" (ed. Casa do Psicólogo), confirma que a tendência existe, tendo atingido mais força nos países desenvolvidos. "Inclusive, na língua inglesa, o termo 'childfree' [livre de filhos] vem sendo utilizado para desestigmatizar a opção por uma vida sem filhos, já que a expressão 'childless' [sem filhos] teria mais a conotação de ausência ou falta involuntária", informa.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Para matar a saudade


Alguém se habilita a responder quem aparece na foto?
Resposta no espaço COMENTÁRIOS ou pelo e-mail sergiohomeclass@gmail.com

Fumar aumenta os riscos de disfunção erétil


Homens saudáveis que fumam correm mais risco de desenvolver disfunção erétil, sugere uma recente pesquisa realizada na China, fortalecendo indícios de vários estudos anteriores que indicam que quanto mais cigarros fumados maior as chances de ter o problema.

Nesse estudo, foram avaliados quase 5 mil homens chineses com idades entre 35 e 74 anos, que não tinham problemas nos vasos sangüíneos e que reportavam ser sexualmente ativos até, pelo menos, seis meses anteriores.

E, de acordo com os resultados, publicados no “American Journal of Epidemiology”, os homens que fumam têm 41% maior risco de apresentar inabilidade para alcançar ou manter uma ereção suficiente para um desempenho sexual satisfatório.

E quanto mais eles fumavam, maior o risco. Especialistas estimam que mais de 22%, ou mais de 11 milhões dos casos no país, acontecem por causa do fumo.
Fonte: Blog Boa Saúde

Leis Estranhas - Algumas das leis mais bizarras do mundo!


Escrito por Frederico Di Giacomo Rocha


Não sei se é verdade ou não, mas descobri isso na internet e achei interessante publicar.


* França

-Entre as 8 da manhã e as 8 da tarde 70% das músicas tem de ser de artistas franceses

.-É proibido beijar alguém no metrô.

-É proibido batizar um porco com o nome de Napoleão.

-É proibido fotografar políciais e suas viaturas inclusive quando saiam em segundo plano.


* Alemanha

-Uma almofada pode ser considerada como uma arma passiva.

-É proibido andar de máscaras pela rua.

-Em qualquer escritório há de se poder ver pelo menos parte do céu.


* Dinamarca

-Tentar escapar da prisão não é ilegal, no entanto, se for pego terá que cumprir o resto da condenação.

-Ninguém pode pôr em movimento seu veículo se há alguém embaixo dele.

-Os restaurantes não poderão cobrar pela água a não ser que não esteja acompanhada com algo mais, como gelo ou uma fatia de limão.


* Suiça

- Se você deixar as chaves dentro do carro com a porta destravada, será multado.


* Chicago- É proibido comer num lugar que esteja pegando fogo.


* Tulsa, Oklahoma

- É contra a lei abrir uma garrafa de soda sem a supervisão de um engenheiro graduado.

.- Os cães devem ter uma permissão assinada pelo prefeito para reunir-se em grupos de três ou mais numa propriedade privada

- É ilegal pôr uma pessoa hipnotizada numa vitrine.


* Israel

- É proibido meter o dedo no nariz aos sábados.-

Em Haifa é proibido levar ursos à praia.


* Tailândia

- Se pegam você atirando um chicle no chão recebe uma multa de 600 dólares e se não pode pagar será preso.


* Camboja

- É proibido o uso de pistolas de água para as celebrações de passagem de ano. Em outras datas comemorativas não tem problema.


* Cingapura

- É proibida a venda de chiclete.

- É proibido que homossexuais vivam no país.

- A pornografia é também proibida.


* Guam- Há homens em Guam cujo único emprego, bem pago diga-se de passagem, é viajar pelo pais para deflorar virgens. A razão é que pelas leis de Guam, é proibido que as virgens se casem.

Sobre os Avanços da Tecnologia


Durante milhares de anos, o principal meio de armazenamento de informação usado pela Humanidade tem sido o papel. Embora ele não seja imune aos estragos do tempo, a prova de que o papel é um meio altamente eficiente e duradouro são os livros e pergaminhos produzidos há mais de mil anos, que continuam sendo legíveis e, em muitos casos, bem preservados em museus.
A era da comunicação eletrônica, entretanto, trouxe um dilúvio de novos meios de registro: fitas e discos magnéticos, discos de vinil, CD's, etc. Ao contrário do papel impresso, entretanto (que não necessita nada mais do que nossos olhos e uma iluminação razoável, para ser lido), cada novo meio trouxe a necessidade de um dispositivo eletrônico para converter a informação nele armazenada para um formato que possa ser captado diretamente pelos nossos sentidos: toca-discos, toca-fitas, leitores de discos magnéticos e óticos, etc. E esse é que é o problema. O astrônomo Clifford Stoll, autor do livro "Silicon Snake Oil", cita o fato de que os dados recolhidos pela sonda interplanetária Pioneer, da NASA, foram armazenados em quatro formatos digitais diferentes. Nenhum deles pode ser lido atualmente, por não existirem mais equipamentos capazes de fazer isso: ficaram totalmente obsoletos. Stoll diz: "pensem quantos formatos foram extintos: discos de 78 rotações, fita de vídeo de duas polegadas, cilindros fonográficos, fita de papel perfurada, cartões perfurados de 80 colunas e de 100 colunas, disquetes de 8 polegadas, fita digital de 7 trilhas, fita de áudio de carretel, cartuchos de 8 trilhas, DECtape, filmes de 8 mm, slides de vidro... E então, pensem ainda nos formatos que estão começando a desaparecer atualmente: discos de vinil de 45 rpm, disquetes de 5 1/4, fitas de vídeo Betamax...".
Não é difícil imaginar que, dentro de uns quatro ou cinco anos, todos os milhões de CD-ROMs existentes atualmente, fitas DAT, disquetes de 3 polegadas, e outros meios em existência, também ficarão obsoletos e não poderão ser lidos. O leitor pode argumentar: bom, mas esse é um problema fácil de resolver ! Basta transferir periodicamente toda a informação armazenada digitalmente para meios mais modernos. Fácil de falar, mas difícil de fazer... Eu mesmo tenho ainda caixas de cartões perfurados, com dados de minha tese de doutorado, feita em 1977, que gostaria de reanalizar um dia. Não vou conseguir, pois nunca tive a oportunidade nem o tempo de transferir o seu conteúdo para disquetes de 8 polegadas, e depois para disquetes de 3 1/2 (meu computador atual já não tem drive para ler os disquetes de 5 1/4 !). Felizmente, ainda guardo os protocolos de registro em papel, e terei que redigitar tudo de novo.
Outro exemplo ? Pensem nos milhares e milhares de discos de 78 e 45 rotações contendo obras musicais em gravações que nunca foram e nunca serão transferidas para meios mais modernos. Será um acervo histórico absolutamente impressionante, perdido para sempre, pois daqui a algumas décadas provavelmente existirão apenas em museus os toca-discos necessários. Não compensa economicamente replicar todo esse acervo em novos formatos.
Ainda conseguiremos ler um papiro caldeu, contendo inscrições de três mil anos, armazenado no Museu Britânico, mas não conseguiremos ouvir uma canção gravada em 1930 ! Como vêm, não é um problema fácil de resolver, e nem creio que haja interesse em resolvê-lo, pois é própria da revolução digital essa busca por meios de capacidade e de velocidade de gravação e leitura cada vez maiores.
Mas não deixa de ser curioso que é justamente essa revolução, que está nos fazendo entrar numa era de informação pura e cada vez mais volumosa, que será a assassina da história...
Enviado por Gabriel Goes, Salvador/Ba

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Novos sócios


Simone e Sérgio Bueno, o simpático casal da foto, são novos integrantes da AFA.
Trata-se de velhos amigos da família, notadamente de Aroldo e Helena, e assim sendo, da turma que frequenta a Praia de Icaraí, nas proximidades de Fortaleza.
Desejamos as boas vindas ao casal, dizendo que para a AFA é um motivo de grande satisfação tê-los oficialmente em nosso convívio.

Zumbi dos Palmares


Vida do líder negro Zumbi dos Palmares, os quilombos, resistência negra no Brasil Colonial, escravidão, cultura africana


Zumbi dos Palmares nasceu no estado de Alagoas no ano de 1655. Foi um dos principais representantes da resistência negra à escravidão na época do Brasil Colonial. Foi líder do Quilombo dos Palmares, comunidade livre formada por escravos fugitivos das fazendas. O Quilombo dos Palmares estava localizado na região da Serra da Barriga, que, atualmente, faz parte do município de União dos Palmares (Alagoas). Na época em que Zumbi era líder, o Quilombo dos Palmares alcançou uma população de aproximadamente trinta mil habitantes. Nos quilombos, os negros viviam livres, de acordo com sua cultura, produzindo tudo o que precisavam para viver..
Embora tenha nascido livre, foi capturado quando tinha por volta de sete anos de idade. Entregue a um padre católico, recebeu o batismo e ganhou o nome de Francisco. Aprendeu a língua portuguesa e a religião católica, chegando a ajudar o padre na celebração da missa. Porém, aos 15 anos de idade, voltou para viver no quilombo.
No ano de 1675, o quilombo é atacado por soldados portugueses. Zumbi ajuda na defesa e destaca-se como um grande guerreiro. Após um batalha sangrenta, os soldados portugueses são obrigados a retirar-se para a cidade de Recife. Três anos após, o governador da província de Pernambuco aproxima-se do líder Ganga Zumba para tentar um acordo, Zumbi coloca-se contra o acordo, pois não admitia a liberdade dos quilombolas, enquanto os negros das fazendas continuariam aprisionados.
Em 1680, com 25 anos de idade, Zumbi torna-se líder do quilombo dos Palmares, comandando a resistência contra as topas do governo. Durante seu “governo” a comunidade cresce e se fortalece, obtendo várias vitórias contra os soldados portugueses. O líder Zumbi mostra grande habilidade no planejamento e organização do quilombo, além de coragem e conhecimentos militares.
O bandeirante Domingos Jorge Velho organiza, no ano de 1694, um grande ataque ao Quilombo dos Palmares. Após uma intensa batalha, Macaco, a sede do quilombo, é totalmente destruída. Ferido, Zumbi consegue fugir, porém é traído por um antigo companheiro e entregue as tropas do bandeirante. Aos 40 anos de idade, foi degolado em 20 de novembro de 1695.
Zumbi é considerado um dos grandes líderes de nossa história. Símbolo da resistência e luta contra a escravidão, lutou pela liberdade de culto, religião e pratica da cultura africana no Brasil Colonial. O dia de sua morte, 20 de novembro, é lembrado e comemorado em todo o território nacional como o Dia da Consciência Negra
Site: Sua pesquisa

Dicas de Português


Por Paulo Ramos


Paulo Ramos é jornalista, professor e consultor de língua portuguesa do Grupo Folha-UOL.


Regência: acarretar um menor aquecimento
Uma projeção mostra que o aquecimento global só será controlado a longo prazo se forem cortados, hoje, todos os gases causadores do chamado efeito estufa.
Trecho da reportagem sobre o assunto, noticiada neste início de semana:- Nada é totalmente inócuo: qualquer redução nas emissões de carbono vai acarretar em um menor aquecimento.
O problema da frase está na regência do verbo "acarretar".
Há duas possibilidades, segundo os dicionários:
- uma coisa acarreta outra
- uma coisa acarreta outra a alguém
Em nenhuma das duas situações, o verbo pede preposição "em"."Acarretar em" é muito comum na língua oral e em textos mais coloquiais.
Mas, em produções que exijam o uso da chamada norma culta (caso dos textos jornalísticos), é melhor seguir a forma registrada pelos dicionários:- Nada é totalmente inócuo: qualquer redução nas emissões de carbono vai acarretar um menor aquecimento.

Conversa da boa


Durante o Encontro ocorrido no Sítio Laidinha, Lago Catu, a conversa rolou solta como pode ser visto nessa rodinha formada por Aroldo, Socorrinha e Arlindo

Dia da Bandeira


O Dia da Bandeira foi criado no ano de 1889, através do decreto lei número 4, em homenagem a este símbolo máximo da pátria. Como nossa bandeira foi instituíta quatro dias após a Proclamação da República, comemoramos em 19 de novembro o Dia da Bandeira.

Nesta data ocorrem, no Brasil, diversos eventos e comemorações cívicas nas escolas, órgãos governamentais, clubes e outros locais públicos. É o momento de lembrarmos e homenagearmos o símbolo que representa nossa pátria. Estas comemorações ocorrem, geralmente, acompanhadas do Hino à Bandeira. Este lindo hino ressalta a beleza e explica o significado da bandeira nacional.
Curiosidades sobre a bandeira brasileira:- Quando várias bandeiras são hasteadas em nosso país, a brasileira deve ser a primeira a chegar no topo do mastro e a última a descer.

- Quando uma bandeira brasileira fica velha, suja ou rasgada, deve ser imediatamente substituída por uma nova. A bandeira velha deve ser recolhida a uma unidade militar, que providenciará a queima da mesma no dia 19 de novembro.

- Caso a bandeira fique hasteada no período noturno, ela deve ser iluminada.

Papai Noel


Na vida, a gente passa por 3 fases:


- A primeira quando acreditamos no Papai Noel;


- A segunda quando não acreditamos e


- A terceira quando somos Papai Noel !!!

Enviada por Arlindo de Almeida Simões, Fortaleza/Ce

domingo, 18 de novembro de 2007

Religião, uma ilusão?

Freud


Prezados amigos,
As 26 mensagens que enviei até agora foram tiradas quase exclusivamente de apenas 3 autores: Elisabeth Lukas (Psicoterapia e Logoterapia), Anselm Grün ( Espiritualidade) e Hans Küng (Teologia e Ecumenismo). A 26ª mensagem que envio neste momento encerra esta primeira etapa, voltada preferencialmente para os três autores com quem mais me ocupei. Os três totalizam 20 livros traduzidos por mim. Faltam muitos ainda antes que possamos chegar ao total de 77 livros traduzidos. Permito-me agora fazer alguns dias de pausa. Novos textos só deverão ser enviados após o dia 20 do corrente. Agradeço a todos pela atenção dedicada a esses textos, particularmente aos que me honraram com seus comentários e agradecimentos. Desejo a todos muito proveito em seus trabalhos e ocupações.
Vejam, por favor, no anexo a mensagem número 26.
E até breve.
Carlos Almeida Pereira, Campina Grande/Pb
08.11.2007
Em seu livro “FREUD E A QUESTÃO DA RELIGIÃO” (Verus Editora, 2005) Hans Küng ocupa-se com o ateísmo de Freud. A tradução do título original do livro é “Freud e o Futuro da Religião”, alusão à obra escrita por Freud nos seus últimos anos, “O Futuro de uma Ilusão”. Nesta obra Freud prevê que as crenças religiosas não irão durar muito, devendo ser em breve substituídas pela “fé” na ciência. Hans Küng, como crente esclarecido, analisa neste livro os argumentos de Freud, além de traçar um marcante perfil do pai da psicanálise.

26. Religião, uma ilusão?

O ATEÍSMO DE FREUD - O ateísmo de Freud não veio do berço. Ele foi educado na religião judaica, mas tornou-se ateu desde os tempos de estudante. Já era ateu antes de ser psicanalista. E como psicanalista, procurou explicar a origem da religião pela psicanálise. As idéias religiosas, para ele, não são fruto da experiência nem resultados do pensamento, mas sim “ilusões, realizações dos desejos infantis mais antigos, mais profundos e mais urgentes da humanidade”.
INFLUÊNCIA DE FEUERBACH - Os argumentos para seu ateísmo pessoal, Freud os tirou sobretudo do filósofo alemão Feuerbach. Já em Feuerbach pode ser encontrada uma fundamentação psicológica do ateísmo: desejos, fantasia ou imaginação seriam os responsáveis pela projeção da idéia de Deus e do mundo das aparências ou dos sonhos religiosos. Assim como a teoria do ópio de Marx, a teoria da ilusão de Freud também está baseada na teoria da projeção de Feuerbach. O que ele apresenta de novo é apenas o aprofundamento psicanalítico.
FRACA ARGUMENTAÇÃO - Mas isto implica que as razões apresentadas contra o ateísmo de Feuerbach se aplicam também a Freud. Assim como o ateísmo de Feuerbach se comprova como uma hipótese que em última análise não tem fundamento lógico, também o ateísmo de Freud tem que ser apresentado como uma hipótese que não se comprova como logicamente necessária. É verdade que Freud retomou a teoria da projeção psicológica de Feuerbach e analisou-a psicanaliticamente, no tocante aos seus pressupostos inconscientes. Com isto, no entanto, ele não apresentou uma prova independente para a teoria da projeção. Pois também Freud, admitindo essa teoria, se interrogou como ela poderia ser explicada do ponto de vista da história e da psicologia. E foi precisamente esse pressuposto que se demonstrou como. em última análise, carecendo de fundamento.
PROVAR QUE DEUS NÃO EXISTE? - Freud teve o grande mérito de haver mostrado até que ponto o inconsciente determina o ser humano e a história da humanidade. Mas da inegável influência dos fatores psicológicos sobre a religião e o conceito de Deus não se pode ainda concluir coisa alguma sobre a existência ou não-existência de Deus. Também da inegável influência dos fatores psicanalíticos inconscientes sobre a religião e o conceito de Deus não se pode concluir coisa alguma sobre a existência ou não-existência de Deus.
CONCRETIZANDO – Concretizemos isto na crítica central de Freud à religião: “As idéias religiosas são realizações dos mais antigos, profundos e prementes desejos da humanidade”. Certo, dirá também aquele que crê em Deus. Mas ao mesmo tempo ele há de admitir:
• Certamente a religião, como mostra Marx, pode ser um ópio, um meio de acalmar e de consolar (ou de reprimir) a sociedade. Mas ela não tem necessariamente que ser isso.
• Certamente a religião, como mostra Freud, pode ser ilusão, expressão de uma neurose e imaturidade psíquica. Mas não tem necessariamente que ser isso.
• Certamente toda fé, esperança e amor dirigidos a um ser humano, a uma causa, ou a Deus, contém um elemento de projeção. Mas nem por isso seu objeto tem que ser mera projeção.
• Certamente a fé em Deus pode ser fortemente influenciada pela atitude da criança em relação ao pai. Mas mesmo assim Deus pode existir.
EXPLICAÇÃO PSICOLÓGICA - O problema não é, portanto, o fato de a fé em Deus poder ser explicada psicologicamente. Do ponto de vista psicológico, a fé em Deus sempre apresenta estruturas e elementos de projeção, mas nem por isso ela pode ficar sob suspeita de ser mera projeção. Também todo aquele que ama projeta necessariamente sua própria figura sobre a pessoa amada. Mas significaria isso que a pessoa amada não exista, ou mesmo que essencialmente ela só exista como ele a vê e a imagina? Quem sabe se com suas projeções ele não poderia apreendê-la até com mais profundidade do que um observador neutro seria capaz de fazê-lo de fora?
ILUSÃO INFANTIL? - A religião seria um desejo? E por isso Deus só poderia ser uma fantasia de desejo humano, uma ilusão infantil, ou mesmo uma idéia neurótica de loucura? Ao desejo de Deus pode perfeitamente corresponder um Deus real. E por que se haveria de desqualificar universalmente todo e qualquer desejo? Não é o desejo uma coisa inteiramente humana, tanto em pequena como em larga escala, dirigido para os bens desta terra, para o próximo, para o mundo e – por que não também – para Deus?
Texto baseado em Hans Küng, Freud e a Questão da Religião, pág. 64 ss. - Tradução e adaptação de Carlos Almeida